NEUROFITNESS NA CRIATIVIDADE


O neurofitness inclui exercícios visuais, matemáticos, de raciocínio e até físicos que estimulam a criatividade e ajudam a produzir idéias, resolver problemas com facilidade, organizar o pensamento, ser mais produtivo e confiante.

A criatividade é um dos campos que pode ser amplamente beneficiada através do neurofitness. De acordo com o professor de criatividade da Faculdade Armando Álvares Penteado (Brasil) Victor Mirshawka, ser criativo é "trazer à existência algo novo ou único que agregue valor".

Segundo o jornal "Estado de S.Paulo", a neurocientista Suzana Herculano-Houzel, refere que a atitude criativa está não só na novidade, mas em tudo o que fazemos.

"Criar é ver a associação de coisas que não se tinha percebido antes", explica. "Pode-se ser criativo quando se procura uma solucção para tirar uma moeda de um buraco, assim como quando se compõe uma música."

A capacidade de propor coisas criativas depende da experiência de cada um. Segundo Suzana, são a história e o hábito que tornam a pessoa criativa em determinado assunto.

"Quanto mais palavras aprender, mais pode brincar com elas", diz. "O cérebro não tem uma área específica que cuida da criatividade; ele usa todos os sentidos para soluccionar as coisas."

Porém, para dar uma mãozinha, a ginástica mental possibilita ao cérebro estabelecer novas conexões com todas as áreas. "O confronto com uma situação leva a procurar diferentes combinações. Os exercícios são óptimos, na medida em que mostram que a pessoa pode ousar e experimentar."

O primeiro passo é gerar muitas idéias. Em seguida, observar os pontos positivos e negativos de cada uma e escolher as melhores. Depois é hora da etapa mais difícil, segundo Mirshawka: realizá-las.

"Ter idéias é o ponto fácil, mas é preciso conseguir executá-las. Como na famosa frase, 1% é inspiração e 99%, transpiração."

Nessa fase, a persistência é fundamental e estar aberto às mudanças e às críticas, também. "A pessoa criativa faz as coisas de modo diferente e isso sempre assusta", diz Mirshawka.

"Mas a satisfação de ver o resultado é enorme. Aprender as estratégias possibilita escolher com mais facilidade que tipo de pensamento usar para resolver o problema: visual, analítico, intuitivo, criativo."