RE-PROGRAMAR O CÉREBRO

A Emotologia é o conjunto de conhecimentos sobre como programar o nosso SAPE (Sistema de Autopreservação e Preservação da Espécie, constituído pelo sistema límbico do cérebro e o sistema que gera substâncias químicas, aí incluído o sistema glandular endócrino), de modo que desenvolvamos nossas capacidades por meio de procedimentos, actividades, técnicas e exercícios.

"Emotologia" é uma palavra híbrida [do latim e(x), "para fora" e motus "movimento", mais o grego logos, "discurso", "estudo de", "tratado" e o sufixo -ia], e indica um conjunto de conhecimentos sistematizados para promover o desenvolvimento das capacidades humanas como elemento de auto-realização.

"Conhecer a Emotologia, hoje, é a possibilidade que cada um tem de realmente mudar a dinâmica de sua mente, de forma positiva, clara e objectiva" - escreve a psicopedagoga e Master em PNL Suely Souza Lima no site da "Cidade do Cérebro".

O criador da "Cidade do Cérebro" (informe-se mais sobre o assunto neste blogue), Luiz Machado, Ph.D., compilou, ao longo de 40 anos, as mais importantes obras sobre o funcionamento do cérebro e suas potencialidades, chegando à descoberta de duas formas de inteligência, a do SAPE (Sistema de Autopreservação e Preservação da Espécie) e a do Intelecto que, ao serem desenvolvidas concomitantemente em alto grau, dão origem à chamada "Super Inteligência".

Com base em seus estudos e pesquisas, o Prof. Luiz Machado criou a Emotologia que deu origem ao conceito de Inteligência Emocional, divulgado no mundo pelo americano Daniel Goleman.

O maior objectivo da Natureza é a preservação das espécies; assim, ela dotou os seres com um mecanismo para perseguir seu objectivo maior" - escreve o professor. "No caso do ser humano, esse mecanismo é o que nós chamamos de Sistema de Autopreservação e Preservação da Espécie (SAPE). Sistema é um conjunto de elementos interagindo para atingir resultados. No caso do SAPE, o resultado a ser atingido é a preservação da espécie" - acrescenta.

Ora, se nós já identificamos as estruturas do cérebro e do organismo em geral, que são responsáveis pelo atingimento do maior dos objectivos da Natureza, se soubermos penetrar nessas estruturas e colocar nelas nossos próprios objectivos, a Natureza tudo fará para atingí-los como se fossem seus próprios, pois essa distinção ela não faz" - esclarece o especialista.

Se o objectivo é correctamente comunicado ao SAPE, a Natureza vai mobilizar os seus recursos para transformá-lo em "resultados". Deste modo, temos em mãos o maior segredo do ser humano, de todos os tempos, para realizar seus sonhos, concretizar suas aspirações e transformar seus objectivos...em resultados.


Reprogramar nossas vidas

Além das etapas cronológicas em nossas vidas (infância, adolescência, juventude, idade adulta, idade madura, meia-idade, maturidade, idade sénior), há também as etapas de crescimento pessoal e profissional em que apresentamos determinadas características que, em conjunto podem ser, consideradas “pessoas” diferentes. Às vezes, as duas coincidem, a etapa cronológica e o conjunto de características.

A cada momento, estamos mudando e, em certos casos, provocando a mudança para melhor; aliás esse deve ser o maior objectivo de cada um. Os conjuntos de características podemos chamar de etapas psicológicas e depende cada qual do estado do sistema de Autopreservação e Preservação da Espécie (SAPE) no cérebro da pessoa.

E o que é esse estado? O estado do SAPE é basicamente formado pelos acontecimentos que tiveram maior emotização, quer dizer, que mais mexeram com nossas emoções provocando registos moleculares. Esses eventos de forte significado emocional vão constituir uma programação, de tal modo que podemos viver tantas vidas quantas são as programações a que somos submetidos por outras pessoas ou por nós mesmos. Assim, podemos indagar “quem era você em outras vidas, isto é, em outras programações?”

Ninguém apaga uma programação, pois ela é resultado de registos moleculares, decorrentes de uma química que actua nas moléculas fazendo “marcas”; por isso mesmo dizemos que tal facto marcou. Mas será que não podemos nos livrar de programações indesejáveis? Podemos sim, aplicando a Lei do Efeito Dominante, que diz: “o facto que vai ficar na frente da programação é o que tiver maior emotização”; assim, não precisamos analisar o porquê de nossa programação negativa que gera determinado comportamento.

Temos sim de vivenciar ou criar situações com emotização superior àquelas que queremos, digamos assim, “substituir”. Dissemos “vivenciar” ou “criar” porque o cérebro, melhor dizendo, o SAPE, não distingue uma situação, que seja produto de um quadro mental vividamente imaginado com emotização, de uma situação real. Por esse último motivo é que existe a falsa memória, lembranças de factos, situações, acontecimentos que não se passaram realmente como depois lembramos deles. Pelo que foi dito acima, verificamos que podemos viver várias vidas em nossa vida.

Fonte: artigos do cientista Luiz Machado (Brasil)