OPTIMIZE O SEU CÉREBRO!

O cérebro humano é uma estrutura complexa. As suas funções são muito diversas e delas dependem a nossa capacidade para andar, ver, ouvir, perceber, pensar, criar, aprender, sonhar, tomar decisões, sentir e tantas outras actividades fundamentais para a nossa sobrevivência e evolução da inteligência.

A amplitude das capacidades do sistema cérebro/mente é tal que, por exemplo, só no que diz respeito à detecção de cheiros o cérebro utiliza mais de 5 milhões de células receptoras distribuídas pelo nariz, as quais conseguem distinguir mais de 10 mil odores diferentes!

É um sistema que trabalha 24 horas sobre 24 horas e pode manter-se activo 100 ou mais anos. Para termos uma ideia do que estamos a falar bastam alguns números:

- o cérebro é constituído por cerca de 100 mil milhões de diferentes tipos de neurónios e 10 vezes mais neuroglias (células de suporte e assessoria aos neurónios);
- cada neurónio pode receber de até 100 000 outros neurónios;
- pode processar 126 informações por segundo, ou seja, 7560 por minuto;
- até aos 70 anos de vida é capaz de processar um total de 185 mil milhões de dados;
- a capacidade de retenção de informações na memória ao longo da vida pode chegar ao equivalente a 20 milhões de livros de 500 páginas (seria preciso uma prateleira de mil quilómetros de comprimento para os acondicionar).

O cérebro é um órgão cuja vitalidade pode manter-se por muitas décadas e estar apto para aprender assuntos novos mesmo em idades chamadas "avançadas". Por exemplo, o famoso escritor russo Leão Tolstoi aprendeu a andar de bicicleta aos 67 anos e a rainha Vitória, de Inglaterra, começou a aprender a língua do Hindustão aos 68.

Incansável, trabalhador e resistente a múltiplas fontes de desgaste e stress é natural que o sistema cérebro/mente exija um grande suporte energético. São necessários nutrientes de vários tipos e certas actividades para o manter vigoroso e fiel.

Para atingirmos a chamada Potência Cerebral/Mental Óptima recomendo:

1. Faça uma dieta com baixo teor de gordura (a gordura em excesso prejudica a circulação sanguínea no cérebro e produz radicais livres que envelhecem prematuramente as células nervosas dificultando as funções cognitivas);
2. Alimente-se de nutrientes vitais onde se destacam as vitaminas A (protege as membranas das células contra os radicais livres), B1,B6 e B12 (determinantes para a vitalidade dos neurónios), C (potente antioxidante que intervem na produção de inúmeros neurotransmissores, melhorando a função cognitiva) e a E (sendo um antioxidante protege as células do ataque dos radicais livres libertados pela alimentação), os minerais como o magnésio, o selénio e o zinco e os aminoácidos fenilalanina, glutamina, metionina, arginina e triptofano.
3. Aposte numa dieta com restrição de calorias pois favorece a longevidade e a destreza mental.
4. Insista numa dieta equilibrada onde estejam presentes todos os tipos de fibras, vegetais, frutas e proteínas não-animais juntamente com laticínios desnatados e carne magra.
5. Tome suplementos vitamínicos para compensar os desequilíbrios resultantes de refeições pobres e apressadas.
6. Respire bem através de uma postura correcta e de exercícios físicos moderados tais como caminhadas de pelo menos 30 minutos diários para manter a função cerebral activa, em especial os mecanismo implicados na memória.
7. Pratique neuróbica, ou seja, envolva-se em actividades regulares de activação dos sentidos, do pensamento, da criatividade e da inteligência para "muscular" o cérebro e revigorar a mente;
8. Ouça música neurológica, isto é, música instrumental ou coral cujo ritmo, andamento e harmonia atinja todos os níveis da consciência e do inconsciente a fim de repor o equilíbrio da energia psíquica (sugere-se música New Age e outras como Chariots of Fire, de Vangelis, Symphony in C, de Bizet, Symphony Nº4, de Mahler, etc). O Instituto da Inteligência fornece gratuitamente uma lista completa aos interessados.
9. Entre em "estado de fluxo", isto é, de profunda concentração e desfrute entregando-se a actividades prazerosas que lhe permitam perder a noção do tempo e do espaço;
10. Durma o necessário para que o sistema cérebro/mente recupere da energia dispendida ao longo do dia e realize determinadas funções de equilibração, nomeadamente a memória.