O que os cientistas escrevem sobre o treino mental


O treino mental através do brainfitness e do neurofitness tem cada vez mais defensores, a começar pelos cientistas que trabalham no sector. Graças à colaboração da SharpBrains, uma instituição norte-americana, recolhemos uma série de depoimentos e entrevistas sobre este tema. Os textos completos são apresentados em inglês.

"Actualmente, graças a técnicas de neuroimagem estamos a compreender o impacto que as nossas acções têm em partes específicas do cérebro" - escreve o Dr. Judith S. Beck, Director do Beck Institute for Cognitive Therapy and Research e autor de The Beck Diet Solution: Train Your Brain to Think Like a Thin Person. Entrevista completa em (Full Interview Notes).
Aprender é uma coisa física. Aprender significa modificar, fazer crescer e espalhar as ligações dos neurónios através da experiência. Quando o fazemos estamos a cultivar as nossas redes neurais". Quem o diz é o Dr. James Zull, Professor de Biologia e Bioquímica na Case Western University. Entrevista completa em (Full Interview Notes).

Exercitando os nossos cérebros sistematicamente é tão importante como exercitar os nossos corpos. Na minha experiência, o termo "Use-o ou deixe-o" passou a ser "Use o cérebro e tenha mais cérebro"- afirma o Dr. Elkhonon Goldberg, neuropsicólogo, professor de Neurologia Clínica na New York University School of Medicine, e antigo disciplo do grande neuropsicólogo russo Alexander Luria. Leia mais em (Full Interview Notes).

O que a pesquisa tem revelado é que a cognição ou aquilo que nós chamamos de pensamento e desempenho (mental) é realmente um conjunto de capacidades que nós podemos sistematicamente treinar" - afirma o Dr. Daniel Gopher, director do Research Center for Work Safety and Human Engineering no Technion Institute of Science. Ler em (Full Interview Notes).

Indivíduos que levam uma vida mentalmente activa através da educação, das ocupações e das actividades de tempos livres reduzem o risco de desenvolver os sintomas da doença de Alzheimer. Os estudos sugerem que eles correm 35% a 45% menos riscos de manifestarem aquela doença". Quem o afirma é o Dr. Yaakov Stern, Division Leader da Cognitive Neuroscience Division no Sergievsky Center do College of Physicians and Surgeons na Columbia University, New York. Texto completo em (Full Interview Notes).

"Nós mostrámos que a chamada memória de trabalho pode ser melhorada através do treino...Eu creio que estamos no início de uma nova era de treino computarizado para uma ampla gama de aplicações cerebrais" - diz o Dr. Torkel Klingberg, Director do Developmental Cognitive Neuroscience Lab no Karolinska Institute. Ler em (Full Interview Notes).


Treinar é muito importante: o controlo da atenção é uma das últimas capacidades que surgem durante o desenvolvimento do cérebro. Saber isto é importante para dois campos muito específicos: os desportos profissionais e o treino militar"- escreve o professor Bradley Gibson, Director do Perception and Attention Lab na University of Notre Dame. 

"O treino cognitivo assenta em premissas sólidas e alguns programas apresentam já resultados muito promissores. Dos mais entusiásticos destaco o neurofeedback que entre outros benefícios pode actuar no treino da memória de trabalho" - afirmação do professor David Rabiner, Senior Research Scientist e Director of Psychology and Neuroscience Undergraduate Studies na Duke University. Consultar em (Full Interview Notes).